jusbrasil.com.br
19 de Setembro de 2019

Por que ser um especialista em sua área de atuação?

Um dos motivos é: não passar vergonha

Lucas D'avilla, Bacharel em Direito
Publicado por Lucas D'avilla
há 2 meses

No primeiro período da faculdade iniciei um estágio supervisionado no batalhão da polícia militar aqui da minha cidade. Meu responsável na época, um segundo tenente me solicitou - pra não dizer que me obrigou -, a ler no mínimo 30 páginas do livro Direito Penal Parte Geral de Rogério Greco.

Sempre fui um aluno mediano no ensino médio, e quando ele me apareceu com o livro do Professor Rogério Greco, não conseguia entender absolutamente nada. Sabemos da enorme dificuldade que é ler livros do direito, jurisprudência e sumulas no começo do curso. Todavia, com medo de perder meu estágio, lia todos os dias 30 páginas do citado livro, em razão de que ele falava: "se você não ler, vou contratar outro estagiário". (Insta salientar que esse estágio me garantia bolsa para faculdade).

Com muita disciplina e ao longo o tempo, tomei gosto pelo livro e consegui termina-lo. A partir do segundo período da faculdade começaram as aulas de Direito Penal e tudo aquilo que o professor ministrava, eu já havia estudado através do livro. Todas as perguntas feitas pelo professor eram respondidas por mim, comecei a participar ativamente da aula e essas sensações me fizeram bem, afinal, sempre fui um aluno "preguiçoso", daqueles que não mostrava interesse por nada.

Ao longo de toda graduação, foquei apenas nisso: Direito Penal, Processo Penal e Execução Penal. Li diversos livros, fiz muitos cursos, estagiei num gabinete de vara criminal, aprendi como os advogados criminalistas se comportavam em audiência, pude notar o posicionamento dos promotores de justiça, observei o dia a dia dos serventuários da justiça, como eram os depoimentos das testemunhas, policiais, réus etc. (Observei tanto, que sabia antecipadamente o que o advogado deveria perguntar para testemunha a fim de conseguir soltar o cliente na própria audiência).

Porém, de tudo isso, um fato me chamou muita atenção.

A cerca de 2 anos atrás, realizei uma audiência assessorando o juiz aqui da minha cidade. O fato era: réu preso pelo crime de lesão corporal LEVE.

O fato de uma pessoa já estar presa por mais de 3 meses por um crime de lesão corporal leve já me causou estranheza. Contudo, o pior estava por vir. Durante a audiência foram ouvidas as vítimas, dois policiais e o réu. O réu confessou a autoria do crime. Ato contínuo, o juiz passou a palavra à defesa para requerer o que achar necessário, eventualmente requerer diligências, realizar algum pedido, solicitar a revogação da prisão preventiva.

Nesse momento, percebi que a advogada ficou extremamente nervosa, não conseguia falar nada, a noção que passava é que ela não sabia o que fazer. Por fim, ela falou o seguinte: "Excelência, eu não tenho o que falar". O juiz de forma de forma um pouco ríspida perguntou "tá, mas não vai solicitar nada?".

Conclusão: a advogada não era especialista na área criminal, ela não sabia fundamentar uma revogação da prisão preventiva, não conhecia os requisitos da mesma e as condições de admissibilidade do art. 313 do CPP. E em razão da sua ineficiência técnica, o réu se manteve preso por mais 1 mês e meio, por um crime de lesão corporal leve.

Diante disso, decidi advogar somente na seara criminal, visto que seria uma falta de responsabilidade com o cliente eu advogar em outra área que não tenho conhecimento, não entendo nada de direito civil, previdenciário, trabalhista e etc. Por esse motivo, atuarei somente na seara criminal, por uma questão de respeito e responsabilidade social, em razão de que somente poderei realizar uma defesa técnica no direito penal.

74 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Gostei muito!!! Parabéns!!! Sou recém - formado e já iniciei uma Pós graduação em Direito Civil e Processo Civil. Penso da mesma forma. O caminho é esse mesmo. É impossível abraçar várias áreas do Direito e ser muito bom em todas.... Não dá. continuar lendo

Sem dúvidas, doutor.
Além de não conseguir realizar um bom serviço, nunca poderá cobrar honorários muito acima da tabela da OAB, visto que apenas os especializados conseguem atuar nessa seara. continuar lendo

é quanto mais especifico você for melhor, isso em todas as áreas e profissões continuar lendo

Somente assim conseguirás ser o melhor no que tu faz continuar lendo

Então, Colegas, mas a realidade que conheço é um pouco diferente. Em meu escritório tenho clientes que me fazem as perguntas mais variadas. Por exemplo: "Sou obrigada a recolher o FGTS de minha empregada ?"; "Meu avô morreu há 20 anos e não foi feito inventário. Como proceder agora que meu tio morreu e tem direito sobre os bens do avÔ" ? "Quero me divorciar. Quais as providências ?" "Contribui com o INSS durante anos. Como fazer para me aposentar ?"
Vejam, embora eu tenha especialização em direito civil, as questões que me são submetidas pelos clientes - afinal de contas são eles que mantém meu escritório - são as mais variadas e englobam diferentes áreas do direito. Em verdade, já cheguei a conclusão que tenho uma "Clínica Geral" de direito. Tenho colaboradores que me auxiliam, no entanto, o cliente quer a minha opinião. Nem sempre ser especialista em determinada área quando se tem escritório em cidade de médio porte é ideal sob o ponto de vista econômico-financeiro. Claro, é possível ser especialista, mas devemos estar atualizados quanto aos assuntos do momento porque é assim que os clientes esperam de nós. continuar lendo

Exatamente Dr.!!
Compactuo com o mesmo pensamento, temos outro grande detalhe... a espera em uma sentença trabalhista ou previdenciária por exemplo na minha região, está demorando de 03 a 04 anos, isso mesmo, agora eu lhes pergunto... caso o advogado vá receber apenas ao final do processo, como manter o escritório e todas as despesas mensais? alguns processos há possibilidades de receber honorários de clientes com antecedência, outros não, nesse intervalo é inevitável advogar entre uma causa ou outra que não seja da especialidade do profissional, de todo modo parabéns pelo artigo do nobre colega que compartilhou conosco seu conhecimento!! continuar lendo

Muito bom o artigo! continuar lendo

Obrigado pela consideração continuar lendo